Glúten e Autismo!

Após ler o capítulo do livro “Barriga de Trigo” sobre opiáceos e seus efeitos (em esquizofrênico e autistas) e ver que saiu uma reportagem sobre o mesmo assunto, pesquisei um pouco e criei esse post que espero, ajude algumas pessoas. 

Eu ainda fico surpreso com a capacidade do glúten destruir tudo, e ainda assim as pessoas o comem, e não tem ideia dos efeitos. Encontrei vários artigos na internet sobre esse assunto e vários com citações científicas, um dos melhores foi do Vencer Autismo.  O que é autismo e  como glúten se relaciona com essas pessoas?

trigo

Segundo o Wikipedia (que pegou definições de artigos):

autismo é uma disfunção global do desenvolvimento. É uma alteração que afeta a capacidade de comunicação do indivíduo, de socialização (estabelecer relacionamentos) e de comportamento (responder apropriadamente ao ambiente — segundo as normas que regulam essas respostas). Esta desordem faz parte de um grupo de síndromes chamado Transtorno do Espectro Autista (TEA) que engloba também a Síndrome de Asperger e o Transtorno Global do Desenvolvimento Sem Outra Especificação. [1]

Algumas crianças, apesar de autistas, apresentam inteligência e fala intactas, outras apresentam sérios problemas no desenvolvimento da linguagem. Alguns parecem fechados e distantes, outros presos a rígidos e restritos padrões de comportamento.  Atualmente já há a possibilidade de detectar a síndrome antes dos dois anos de idade em muitos casos. [2]

O autismo afeta, em média, uma em cada 50 crianças nascidas nos Estados Unidos, segundo o CDC (sigla em inglês para Centro de Controle e Prevenção de Doenças), números de 2013. [3] — no Brasil, porém, ainda não há estatísticas a respeito do TEA [4] . Em 2010, no Dia Mundial de Conscientização do Autismo, 2 de abril, a ONU declarou que, segundo especialistas, acredita-se que a doença atinja cerca de 70 milhões de pessoas em todo o mundo, o aumento dos números de prevalência de autismo levanta uma discussão importante sobre haver ou não uma epidemia da síndrome no planeta, ainda em discussão pela comunidade científica [5] .

Se tiverem interessados na lista de artigos brasileiros sobre autismo, esse artigo aqui faz uma avaliação. É bem decepcionante ver que nós mal pesquisamos sobre o assunto.

Como o glúten afeta o autista?

Quando comemos o trigo (post abrangente do Dr. Souto) liberamos exorfinas (polipeptídeos) que tem a capacidade de penetrar no cérebro e interagir na região do vício, ou seja, é uma droga mesmo que vicia. Não acredita? Desafio você a ficar 1 semana sem trigo, e em mais de 70% dos casos, você sofrerá de sintomas clássicos de crise de abstinência. É uma droga tão forte que se aplicarmos naloxona (uma outra droga que bloqueia o efeitos de drogas opiáceas, também pode estar na forma de naltrexona) as pessoas tem seu apetite reduzido e comem menos, controlando inclusive a compulsão que muitos obesos tem (e eu sou um deles!). É tão impressionante que é um dos remédios queridinhos dos médicos para tratar obesidade.

Christine Zioudrou e seus colaboradores do NIH (National Institutes of Health) afirmam que são essas exorfinas que interagem com o cérebro e são responsáveis pelos aumento dos episódios de alucinações (em esquizofrênicos). Há diversos estudos sobre isso, o capítulo 4 do livro Barriga de Trigo fala bastante sobre isso.

O que me fez escrever o artigo foi a reportagem da Revista “Eu sou mais Eu“, Edição 353 (leia abaixo). Eu vi no Grupo Viva sem Glúten (grupo fantástico) e fiquei pensando: se o trigo pode alterar o comportamento dos autistas, porque as pessoas acham que não alteram o delas? Para mim é fechar os olhos para realidade.

Agradeço a reportagem por me fazer pesquisar um pouco mais sobre esse assunto, e rezo que as mães de autista eliminem o glúten (e provavelmente o leite) da dieta dos seus filhos, e parabenizo a Cláudia Marcelino pela coragem.

======================= ATUALIZAÇÃO ====================

Conversando com Roberta Carla Evangelista, no grupo Dieta Paleo do Facebook, fiquei chocado com situação do autismo no Brasil:

Em 2013 a estimativa dos EUA foi para 1 autista para cada 55 crianças.  Existem em média 600 mil pessoas portadoras do vírus da Aids no Brasil e há cerca de 30 anos, decidiram que o país tinha que saber o que é. E existem em média 2 milhões de autistas no país e quase ninguém tem uma ideia exata do que seja. #Lamentável

Pq a dificuldade no diagnóstico?????? existem apenas cerca de 350 psiquiatras infantis cadastrados no país. Existem 11 estados que sequer possuem um Psiquiatra Infantil. Em Alagoas, por exemplo, é 1 para o Estado inteiro. Meu filho já teve 13 pediatras e 6 deles disse não saber cuidar de uma criança autista. (Oi?? Ele é uma criança, não?)

O que me deixa triste é que com uma estimativa dessas e tão pouco foco, teremos um país de mais autistas sofrendo com pais inexperientes, médicos despreparados e indústrias farmacêuticas enriquecendo com a Droga da Obediência. (Risperidona)

ESSA REALIDADE TEM QUE SER MUDADA. Conheçam a fanpage e o blog dela (Viagem de mãe), e apoiem galera!!

Associações:

Serviço:
AMA (Associação de Amigos do Autista)
Unidade Cambuci e Call Center
Endereço: Rua do Lavapés, 1123 – Cambuci, São Paulo – SP
Telefone: 11 3376-4400
Fax: 11 3376-4403
Unidade Parelheiros
Endereço: Rua Henrique Reimberg, 1015 – Parelheiros, São Paulo – SP
Telefone: 11 5920-8018
Adefa (Associação em Defesa do Autista)
Endereço: Rua Maria Delfina de Freitas Gomes, 144, Pendotiba, Niterói – RJ
Telefone: 21 2617-8994

 

Engenheiro químico que aprendeu a cozinhar para obter uma saúde melhor. Em processo de emagrecimento comendo muita gordura e proteína. Entrou numa fase de curtir cozinhar coisas novas. Adora andar de bicicleta aproveitando o ambiente.